04 de Abril de 1988: 1 dia de vida

05 maio 2016

Continuando sobre o que havia acontecido comigo aos sete anos [ leia: 04 de Abril de 1998: Ela Nasceu ], quando eu completei 13 anos, comecei a fazer vários exames para poder operar a Adenoide, porém, um dos exames constava que eu estava com uma anemia muito alta, sendo assim eu não poderia operar.
No entanto, o médico anestesista não cogitou o cancelamento da operação por conta disso e nem pediu que eu fizesse um tratamento, apenas confirmou tudo para o dia.

No dia determinado, lá estava eu, morrendo de medo, entrei no centro cirúrgico desesperada e alguns enfermeiros foram conversando comigo até que eu adormecesse, pois bem, assim aconteceu e eu fui então operada e fui pra casa.

Dos meus 7 aos 15 anos eu fiquei afastada da igreja, eu realmente não queria mais ir, mas também, nunca havia sido uma filha rebelde e que trouxesse problemas a minha família. Minha adolescência foi muito tranquila.

Aos 15 anos, eu estava no 1º ano do Ensino Médio, jogava Handball no time da escola, era goleira, praticava muitos outros esportes. porém, foi em um termino do jogo que algo aconteceu quando eu cheguei em casa.

Meu ciclo menstrual sempre foi forte e eu achava super normal, nunca havia contado a ninguém, só que o que ninguém sabia é que eu já estava assim a 3 meses. Como eu fiquei? Sempre estava muito cansada, mas achava que era por conta dos esportes, da cintura para baixo minha perna estava cheia de pintinhas vermelhas e eu achava que era de ter raspado a perna ou que fosse sarampo, abaixo do pescoço criaram duas bolas enormes e quando eu tentava abaixar a cabeça era uma dor muito forte, então eu achei que fosse caxumba [sim, eu me achava a Dr. Jhéssica] mas, o ápice foi que ao invés de vir o ciclo normal, começaram a sair pedaços de algo preto de dentro de mim, foi quando eu mostrei a minha mãe e ela me levou ao hospital pois estava com hemorragia.

Eu já não usava mais absorvente normal, estava usando mini fraldas, isso foi em uma quarta feira e na quinta eu tinha audição para uma peça de teatro, gravação de uma cena e iria fazer o meu book fotográfico [sei que não sou nenhuma modelo, mas eu queria poxa rs]. E quando a minha mãe disse que me levaria ao médico pensei que fosse ser rápido, mas o inesperado estava por vir.

Fiz todos os Exames e eles disseram que eu deveria ser internada naquele mesmo momento, pois estavam com suspeita de Leucemia, devido as manchas e tudo mais. Até ai, eu estava tranquila pois já havia acontecido antes, o problema foi que eles me levaram direto para a UTI e ai sim eu entrei em desespero, pois ouvi o médico dizendo que provavelmente teria apenas mais 1 dia de vida! 

WHAT??? Como assim? Eles achavam que eu não iria entender, mas um dos meus amigos estava também com Leucemia e essas coisas, de plaquetas, leucócitos e etc era muito familiar pra mim, foi quando eu contei pra minha mãe e ela entrou em desespero.

Enfim, depois descobri que eu havia entrado com 5 mil de plaquetas sendo que o normal é de 140 a 270 mil mais ou menos. 

Depois disso muita coisa aconteceu e uma delas foi que eu não estava com Leucemia, Uffa, mas como diz o ditado "alegria de pobre dura pouco", a questão foi a seguinte, ELES NÃO SABIAM O QUE EU TINHA, sendo assim não conseguiam me medicar, pois poderia morrer se tomasse medicação errada, foi quando eles me entupiram de sangue, plaquetas, corticoide e anticoncepcional.

 
© BLOG MULHERES DE ORAÇÃO- TODOS OS DIREITOS RESERVADOS | Design e Programação por